A prática de sergio augusto medeiros (1993) é baseada em pesquisas que se concentram em locais específicos, muitas vezes, decorrentes de intervenções em linguagens que fornecem suportes para montagens de projetos, instalações, websites, publicações, textos, apresentações, dentre outros. Em diálogo com formatos simuláveis da autoria, apresenta recursos metalinguísticos que se compõem como apropriações de funções dominantes que estruturam a compreensão dos métodos. Ao manipular dados para criar ambiguidades, Augusto propõe enunciar as incertezas da definição ao provocar a repetição e a replicação. Recentemente, seus projetos partem de modelos teóricos e identidades performadas. Artista pesquisador com doutorado em andamento em Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (PPG-Artes/UFMG) com bolsa cedida pela PROEX/CAPES (2020-). Mestre em Artes Visuais pelo PPG-Artes/UFMG com bolsa cedida pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (2017-2018) e graduado em Artes Visuais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) com bolsa cedida pela Fundação Araucária (2012-2015). Atualmente,  reside em Belo Horizonte.