No exercício de grifar como instrumento de leitura, o trabalho investiga assuntos relacionados à réplica de monumentos, especificamente de um grupo de esculturas atribuídas ao Antônio Francisco Lisboa - Aleijadinho (Ouro Preto, 1730-1814). Detectando a formação de um sistema de moldes reconstruído temporalmente, foi desenvolvido uma espécie de inventário com réplicas analisadas em diferentes localidades de Minas Gerais, utilizando o métodos de catalogação e verificação destinado à  esculturas. Interdisciplinar, a pesquisa apresenta relações entre a conservação patrimonial e marca informações que presenciam um tipo de forma, que, por consequência, parece ser autônoma, pública e autogeradora. Essa pesquisa foi realizada no Museu da Escola de Arquitetura (MEA) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Laboratório de Fotodocumentação Sylvio Vasconcellos, Museu de Congonhas e Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). O trabalho foi apresentado em formato de texto no I Concresso Estudos da Paisagem, Patrimômios em Silêncio, Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

 

marca-texto, 2018-em processo

texto e instalação 

bibliografias com marcações 

caneta marca-texto fluorescente

iluminação ultravioleta azul
 

IMG_2006.jpg
IMG_1866.jpg
IMG_1986 marctext19.jpg
IMG_1872.JPG
IMG_2040.JPG

O ex-diretor Aníbal Mattos pediu que fizessem réplicas dos profetas Jonas, Joel e Amos, com o objetivo inicial de mostrar cópias extraordinárias aos estudantes e de despertar interesses pelo patrimônio regional, como as obras do mestre Aleijadinho. Ao todo, as fundições encomendadas incluíam: Jonas (estuque); Amós (cimento com pó de arenito); Joel (cimento com pó de arenito); Naum (arenito); Abdias (arenito); Ezequiel (gesso) e Daniel (gesso); e bustos de Amos, Naum, Abdias e Joel (gesso).

Dentre as inúmeras significações, a palavra mestre deriva de muitas temporalidades: designa um indivíduo que possui um domínio e que ensina uma arte, ciência ou técnica; uma pessoa que tem o título acadêmico (mestrado); uma personalidade proeminente do passado que exerceu autoridade; ou o indivíduo que, por ser exímio em seu ofício, exerce-o de modo independente e emprega de artífices e aprendizes. O grifo na leitura é a prova preliminar da citação e da escrita em uma determinada localização visual, que institui o direito do olhar sobre o texto, contudo, o grifo é uma marcação e sobrepõe sua tipografia, inaugurando uma nova diagramação feita ao ritmo do leitor. Neste trabalho, essa marcação foi realizada com a finalidade de investigar sobre os possíveis certificados atribuídos ao conjunto significativo de réplicas relacionadas às obras de Aleijadinho e pela constituição das histórias associadas a essas replicações. A pesquisa reside na problematização às figuras que representam de forma coletiva as dinâmicas memorísticas, associações personificadas e diversos tipos de conservação patrimonial. Em geral, esse texto é um fragmento de uma série de proposições acerca da cópia real, uma matéria presente nas superfícies das referências e no reposicionamento do olhar na linha do texto. Seria aqui, uma remarcação que busca sentidos aparentes aos fatos, com finalidade de contabilizar os moldes e de grifar uma narratividade já registrada e documentada.

Ao preparar um modelo para execução de um molde, a utilização de um pincel é o necessário para aplicação do agente desmoldante. A solução aquosa de sabão neutro é um produto ideal que não degrada o original e é de fácil remoção, também, podem ser usados vaselina industrial, óleo ou azeite, no entanto, esses produtos são difíceis de remover e interferem na cor da superfície do modelo. A preparação do gesso é feita em uma tigela com água até que atinja a borda, deixando descansar por alguns minutos. A massa deve ser espessa e ter uma consistência pastosa, assim que pronta é aplicada a primeira camada, em seguida, uma camada contínua na peça até cobrir toda a superfície do objeto, dando a devida atenção a parte superior com acabamento em linha reta e plana, pois ao ser retirada, esta parte será colocada sobre a mesa para ser tratada. Vale lembrar que, o "berço" do gesso depende de seu tamanho e complexidade, pode precisar ser reforçado peça por peça com madeira, sisal, carbonato ou barra de ferro. Após a Secagem completa, pode ser retirado o molde e modelo referente. A investigação também foi baseada nos diversos modelos referentes: a primeira, na coleta de materiais em diferentes formatos (cartões postais, artigos, livros, estatuetas e demais peças associadas às réplicas), e a segunda parte, foi projetada uma instalação, tendo como principal objetivo evidenciar as relações possíveis com a temática. A pesquisa foi realizada em três cidades de Minas Gerais. Na seleção dos lugares, foram considerados os elementos geradores da temática em suas múltiplas relações com o espaço, representação e identidade, sendo esses lugares privilegiados em diferentes proporções: a) Ouro Preto (MG), pela aparição constante de réplicas em diferentes formatos e em diversos empregos representacionais, comunicativos e artísticos; e b) Congonhas (MG), principalmente pela dinâmica de proximidade geográfica dos originais e a suposta interação com o museu indutor. Em contraste, a cidade Santa Rita (MG) foi escolhida como controle da análise, devido à distância geográfica do núcleo predominante, contudo, apresenta uma forte relação com o material bruto dos objetos em análise, a pedra sabão.